Articles

O uso rotineiro de enema durante o trabalho de parto desanimado

Pela Saúde da Reuters

3 Min de Leitura

NOVA YORK (Reuters Health) – O uso de um enema durante o trabalho de parto não reduz a taxa de infecções de feridas na mãe ou infecções no bebê, e também não parecem resultar em uma melhor experiência de parto para a mãe, as conclusões de um novo estudo de revisão de indicar.na mãe, a área mais provável de ser danificada é o períneo, o espaço entre a abertura da vagina e o ânus. Durante o parto pode ser rasgado ou o médico pode realizar uma episiotomia, um corte cirúrgico para ampliar a saída do canal de nascimento para evitar rasgar enquanto o bebê é entregue.

apesar de ser uma prática médica comum, os benefícios reais do uso de um enema durante o trabalho de parto não são claros e pode aumentar o desconforto da mãe, bem como os custos médicos, de acordo com um relatório publicado online na Biblioteca Cochrane.

Dr. Ludovic Reveiz, do Instituto de Pesquisa da Fundação Universitária Sanitas, em Bogotá, Colômbia, e colegas pesquisados diversos bancos de dados, incluindo o Cochrane parto registro, PubMed, e de outras fontes, para identificar estudos que avaliaram os benefícios do uso de enema, durante a primeira fase do trabalho. Três estudos que utilizaram medidas de controle e métodos randomizados, envolvendo um total de 1.765 mulheres, foram incluídos na meta-análise.tal como referido, não foram observadas diferenças significativas nas taxas de infecções por feridas perineais e infecções por lactentes entre as mulheres a quem foi administrado enemas e as que não o foram, o relatório indica. Da mesma forma, o uso de enema não teve impacto na taxa de infecções do trato respiratório no bebê.

os dados de um ensaio sugerem que o uso de enema pode encurtar a duração do trabalho de parto, mas outro estudo, que considerou se foi o primeiro parto da mulher ou se ela tinha dado à luz antes, refutou esse achado.um dos estudos avaliou o impacto de um clister na satisfação da mulher com o processo de trabalho; nenhum benefício aparente foi visto.

“esta evidência não suporta o uso rotineiro de enemas durante o trabalho de parto, e consequentemente a prática de rotineiramente dar-lhes deve ser desencorajado”, concluiu Reveiz em declaração.